Bishop’s statement on death of George Floyd

dacunhaphoto

FALL RIVER, Mass. — Bishop Edgar M. da Cunha, S.D.V., has released a statement today (June 3, 2020) on the killing of George Floyd and its aftermath in the United States. The statement was also included in Bishop da Cunha’s weekly blog that was posted today. The statement follows below in its entirety. 

The past week in our country has been trying, disturbing, and difficult. We shared understandable concern and anxiety as the first steps were taken toward a reopening of our pandemic-shuttered society. We rejoiced with the reopening of our churches. At the same time, we have been shocked and shaken, as we witness in horror the senseless killing of George Floyd in Minneapolis and the national protest that followed. In its aftermath, we have seen understandable outrage expressed by so many people, renewed questions of racism, and at times hate and anger that has led to violence and destruction. 

While some question how the brutal killing of George Floyd could happen in our country, many point to it as a stark demonstration of prevailing racism and prejudice. It is imperative, I think, to take this moment to try to understand the experiences of others especially of those who have been historically disenfranchised; of those who still today experience injustice, indignity, and unequal opportunities only because of their race or the color of their skin. 

As members of the Church, we cannot turn a blind eye when citizens are deprived of their human dignity and even their lives. In a recent pastoral letter against racism entitled, “Open Wide Our Hearts,” I joined with my brother bishops in the U.S. in pointing out that, “racism is a life issue.” Or as the bishops said in the pastoral letter, “Brothers and Sisters to Us,” “Racism is a sin: a sin that divides the human family, blots out the image of God among specific members of that family, and violates the fundamental human dignity of those called to be children of the same Father.” 

Our efforts to build a culture of life needs to include a commitment by all of us to combat racism and its effects in our civic and social institutions. This commitment needs to bring to an end the indifference that has allowed the evil of racism to persist. Some may believe it is enough to be non-racist, but history has shown the need for more. We need to be actively anti-racist. 

In a message addressed to the U.S. today (June 3, 2020) at his livestreamed general audience, Pope Francis said, “we cannot tolerate or turn a blind eye to racism and exclusion in any form and yet claim to defend the sacredness of every human life. At the same time, we have to recognize that ‘the violence of recent nights is self-destructive and self-defeating. Nothing is gained by violence and so much is lost.’” 

I ask all in our diocesan community to pray for the repose of George Floyd, for the comfort of his family and friends; and for all who have suffered in any way from racial injustice. Let us pray for peace in our country; that those who feel the indignation brought by the events of the last few days may find peaceful ways to effect change, never by the use of violence. Because violence begets violence; it does not bring about peace. Let us also work, encourage others, talk about and do our part to create a peaceful response to this tragedy across our country, one that ensures the safety of our citizens. Violence and destruction serve no purpose other than to compound the challenges at hand. Our collective response must reflect a respect for all people and a unified resolve to work for equality and justice for all. 

The U.S. Conference of Catholic Bishops has also issued a statement in the wake of the death of Mr. George Floyd and the protests that have broken out in Minneapolis and in other cities in the United States. 

This statement can be read: here.


Declaración del obispo Edgar M. da Cunha, S.D.V., D.D.
sobre la muerte de George Floyd y sus secuelas

La semana pasada en nuestro país ha sido difícil e inquietante. Compartimos una preocupación y ansiedad comprensibles a medida que se daban los primeros pasos hacia la reapertura de nuestra sociedad cerrada por una pandemia. Nos regocijamos con la reapertura de nuestras iglesias. Al mismo tiempo, nos hemos sorprendido y sacudido al presenciar con horror del asesinato sin sentido de George Floyd en Minneapolis y la protesta nacional que siguió. A raíz de esto, hemos visto indignación comprensible expresada por tanta gente, nuevas preguntas de racismo y, a veces, odio e ira que han llevado a la violencia y la destrucción.

Si bien algunos cuestionan cómo podría ocurrir el brutal asesinato de George Floyd en nuestro país, muchos lo señalan como una clara demostración del racismo y los prejuicios imperantes. Creo que es imperativo aprovechar este momento para tratar de comprender las experiencias de los demás, especialmente de aquellos que históricamente han sido privados de sus derechos; de aquellos que aún hoy experimentan injusticia, indignidad y oportunidades desiguales solo por su raza o el color de su piel.

Como miembros de la Iglesia, no nos podemos hacer los de la vista gorda cuando los ciudadanos se ven privados de su dignidad humana e incluso de sus vidas. En una reciente carta pastoral contra el racismo titulada “Abre nuestros corazones”, me uní a mis hermanos obispos en los Estados Unidos para señalar que “el racismo es un problema de vida”. O como los obispos dijeron en la carta pastoral, “Hermanos y hermanas para nosotros”, “El racismo es un pecado: un pecado que divide a la familia humana, borra la imagen de Dios entre miembros específicos de esa familia y viola la dignidad fundamental humana de aquellos llamados a ser hijos del mismo Padre “.

Nuestros esfuerzos para construir una cultura de vida deben incluir un compromiso de todos nosotros para combatir el racismo y sus efectos en nuestras instituciones cívicas y sociales. Este compromiso debe poner fin a la indiferencia que ha permitido que persista el mal del racismo. Algunos pueden creer que es suficiente ser no racista, pero la historia ha demostrado la necesidad de más. Necesitamos ser activamente antirracistas.

En un mensaje dirigido a los Estados Unidos hoy (3 de junio de 2020) en su audiencia general transmitida en vivo, el Papa Francisco dijo: “No podemos tolerar o hacernos los de la vista gorda ante el racismo y la exclusión de ninguna forma y sin embargo, pretender defender la santidad de cada vida humana. Al mismo tiempo, debemos reconocer que ‘la violencia de las últimas noches es autodestructiva y autoderrotista. Nada se gana con  violencia y se pierde mucho”.

Pido a todos en nuestra comunidad diocesana que recen por el descanso de George Floyd; por el bienestar de su familia y amigos; y por todos los que han sufrido de alguna manera la injusticia racial. Oremos por la paz en nuestro país; que aquellos que sienten la indignación provocada por los acontecimientos de los últimos días para que puedan encontrar formas pacíficas de lograr un cambio, nunca mediante el uso de la violencia. Porque la violencia engendra violencia; No trae paz. También trabajemos, animemos a otros, hablemos y hagamos nuestra parte para crear una respuesta pacífica a esta tragedia en todo nuestro país, una que garantice la seguridad de nuestros ciudadanos. La violencia y la destrucción no tienen otro propósito que agravar los desafíos en cuestión. Nuestra respuesta colectiva debe reflejar un respeto por todas las personas y una resolución unificada de trabajar por la igualdad y la justicia para todos.


Declaração do Bispo Edgar M. da Cunha, S.D.V., D.D.
sobre a Morte de George Floyd e suas consequências

A última semana em nosso país tem sido difícil, perturbadora e difícil. Compartilhamos preocupação e ansiedade compreensíveis à medida que os primeiros passos foram dado para a reabertura de nossa sociedade pandêmica. Nós nos alegramos com a reabertura de nossas igrejas. Ao mesmo tempo, ficamos chocados e abalados quando testemunhamos horrorizado o assassinato sem sentido de George Floyd em Minneapolis e o protesto nacional que se seguiu. Em sua sequência, vimos uma indignação compreensível expressa por tantas pessoas, questões renovadas de racismo e, às vezes, ódio e raiva que levou à violência e destruição.

Enquanto alguns questionam como o brutal assassinato de George Floyd poderia acontecer em nosso país, muitos apontam isso como uma demonstração gritante do racismo e preconceito predominantes. É imperativo, penso eu, aproveitar este momento para tentar compreender as experiências dos outros, especialmente daqueles que foram historicamente desprivilegiados;  daqueles que ainda hoje experimentam injustiça, indignidade e oportunidades desiguais apenas por causa de sua raça ou cor de sua pele.

Como membros da Igreja, não podemos fechar os olhos quando os cidadãos são privados de sua dignidade humana e até mesmo de suas vidas. Em uma recente carta pastoral contra o racismo intitulada “Abra nossos corações”, juntei-me aos meus irmãos Bispos nos EUA  ao apontar que”racismo é uma questão de vida”.

Ou como os Bispos disseram na carta pastoral, “Irmãos e Irmãs para Nós”, “O racismo é um pecado: um pecado que divide a família humana, apaga a imagem de Deus entre membros específicos dessa família e viola a dignidade humana fundamental daqueles chamados a serem filhos do mesmo Pai”. Nossos esforços para construir uma cultura de vida precisam incluir um compromisso de todos nós para combater o racismo e seus efeitos em nossas instituições cívicas e sociais. Esse compromisso precisa acabar com a indiferença que permitiu que o mal do racismo persista. Alguns podem acreditar que é suficiente para ser não racista, mas a história mostrou a necessidade de mais. Precisamos ser ativamente antirracistas.

Em uma mensagem dirigida aos EUA no dia 3 de junho de 2020 em sua audiência geral transmitida ao vivo, o Papa Francisco disse: “Não podemos tolerar ou fechar os olhos para o racismo e a exclusão de qualquer forma e ainda reivindicar defender a sacralidade de toda vida humana. Ao mesmo tempo, temos que reconhecer que “a violência das noites recentes é auto-destrutiva. Nada é ganho pela violência e tanta coisa se perde.””

Peço a todos em nossa comunidade diocesana que rezem pelo repouso de George Floyd; para o conforto de sua família e amigos; e para todos que sofreram de alguma forma de injustiça racial.

Rezemos pela paz em nosso país; que aqueles que sentem a indignação trazida pelos acontecimentos dos últimos dias podem encontrar formas pacíficas de efetivar a mudança, nunca pelo uso da violência. Porque a violência gera violência; não traz paz. Vamos também trabalhar, encorajar os outros, falar e fazer a nossa parte para criar uma resposta pacífica a esta tragédia em todo o nosso país, que garante a segurança de nossos cidadãos. Violência e destruição não servem para nada além de agravar os desafios em questão. Nossa resposta coletiva deve refletir o respeito por todas as pessoas e uma determinação unificada de trabalhar pela igualdade e justiça para todos.



© 2020 The Anchor  †  887 Highland Avenue  †  Fall River, Massachusetts 02720